Vasco é derrotado pelo Santos por 3 a 0 e afunda na lanterna do Brasileiro

Ao assinar com Vanderlei Luxemburgo, a diretoria do Vasco aceitou a condição de que ele só começasse a trabalhar nesta segunda. O motivo: já tinha um compromisso particular. Mais especificamente, o lançamento de sua marca de cachaça. Tivesse assumido na quarta, quando fora apresentado, talvez o professor, que acompanhou o jogo contra o Santos de um camarote no Pacaembu, não visse um time tão perdido em campo. Envolvido pelo Santos de Jorge Sampaoli, a equipe perdeu por 3 a 0. E só restou ao treinador coçar a cabeça.

A partir desta segunda, ele terá muito trabalho pela frente. Afinal, precisa tirar o Vasco de sua incômoda posição. Com apenas um ponto em 12 disputados, segura a lanterna do Brasileiro. Já elminado da Copa do Brasil, não joga durante a semana. Com isso, Luxemburgo terá mais tempo para preparar a equipe para a partida contra o Avaí, domingo, em São Januário.

O esquema testado por Marcos Valadares em sua última partida como interino não deu certo. Seu 3-4-3 foi inoperante diante de um Santos que povoou o meio de campo e ganhou todas por lá. A diferença dos números do primeiro tempo dá o tom do abismo que separou paulistas e cariocas. O Santos finalizou 14 vezes (sete na direção do gol), contra apenas três do Vasco (só uma certa). Na posse de bola, a diferença também foi de 60% contra 40%, informa o Extra.

Lambanças de Sidão

Para piorar a situação do Vasco, houve o fator Sidão. Numa tarde ruim, o goleiro teve o que de certo foi uma de suas piores atuações na carreira. Aos 18 do primeiro tempo, ele errou a saída de bola e proporcionou ao Santos a jogada do primeiro gol, de Pituca.

A partir daí, o Vasco se perderu de vez. E foi presa fácil para a marcação alta dos santistas. Aos 33m, Luiz Gustavo, pressionado, errou o passe para Rossi. A bola ficou com Rodrygo, que em bela jogada individual marcou o segundo.

No intervalo, Valadares reconheceu o erro inicial, retirou Luiz Gustavo para clocar Andrey e ainda promoveu a entrada de Bruno César na vaga de Raul. Com o meio-campo do Vasco mais fortalecido, conseguiu equilibrar o jogo. Mas não por muito tempo. Sampaoli logo entendeu a nova dinâmica, colocou Jean Mota e deu mais poder de contra-ataque ao time. O massacre recomeçou.

O Santos abusou das chances perdidas. Só o travessão, acertou duas vezes. Mas, aos 27, em mais uma bela jogada de Rodrygo, Soteldo deu contornos finais ao placar. Para o desespero do professor Luxemburgo.

13/05/2019

(Visited 1 times, 1 visits today)